A história de Lily, a pequena cadela abandonada

Summer|2018-05-25

Aconteceu na Califórnia (EUA). A cadela Lily foi abandonada pesando menos de 230 gramas.

Da mesma forma que para bebês humanos, para uma ninhada de cães, o leite materno é muito importante, não apenas em função da nutrição, mas também do conforto emocional.

Filhotes que não sejam amamentados até oito semanas de idade têm muito pouca probabilidade de sobrevivência.

E foi exatamente isto que aconteceu com Lily. Encontrada nas ruas de San José (EUA), a pequena cadela já estava quase morta: os batimentos cardíacos não estavam sensíveis e a vida só podia ser confirmada pela fraca respiração. O herói que viu a cachorrinha, porém, acreditou que poderia haver uma chance de salvá-la.

Aquecida e nutrida, Lily ainda não demonstrava fortalecimento dos sinais vitais.

Lily recebeu atendimento emergencial na casa do próprio salvador, mas a tarefa era árdua: a família tentou alimentar a cachorra com leite de vaca durante dois dias, mas, quando as condições de saúde pioraram, a melhor decisão foi procurar socorro médico.

Os responsáveis pelo resgate levaram o animal para o San Jose Animal Care Center, uma entidade sem fins lucrativos que recupera e promove a adoção de animais perdidos e abandonados, além de prestar diversos serviços à comunidade. Em 01/03/16, Lily começou a difícil batalha pela vida.

Um quadro alarmante

Lily estava realmente muito fraca. A cadelinha pesava apenas meia libra (ou “pound”, o equivalente a 227 gramas no Sistema Universal de Unidades. Uma libra é o peso de uma lata de leite em pó. Os veterinários que a atenderam, mesmo experientes em casos graves e até trágicos, avaliaram que o animal viveria apenas algumas horas. No máximo, poucos dias.

Lily, já abrigada, mas ainda sofrendo risco de morte.

Mesmo assim, a equipe chefiada pela Dra. Sharon Ostermann não desistiu. Diversas providências foram tomadas: aquecimento artificial, soro para evitar a desidratação e alimentação oral (ministrada com uma ampola). Com todos estes cuidados, Lily continuava exausta e não reagia aos estímulos.

A recuperação

Depois de algumas horas, Lily começou a apresentar sinais de melhora clínica. A cachorrinha passou a ter cuidados ininterruptos oferecidos por uma “mãe substituta” – uma enfermeira veterinária. Aparentemente, ao lado dos cuidados técnicos, o carinho da nova mãe fizeram a diferença no tratamento: em apenas duas semanas, Lily já estava interagindo e brincando, além de conseguir ganhos significativos de peso.

Lily, com tratamento médico e muito amor.

Importante

A equipe veterinária do San Jose Animal Care Center faz uma advertência. A pessoa que encontrou Lily na rua teve a melhor das intenções, mas, antes, é necessário esperar e observar. A mãe de Lily poderia ter se afastado apenas por alguns instantes, em busca de alimento ou na tentativa de afastar possíveis agressões à ninhada.

Resgatar filhotes sem antes se assegurar de que eles foram realmente abandonados reduz as chances de sobrevivência. Outra questão fundamental: quem faz o resgate e não tem experiência nos cuidados com cachorrinhos desnutridos precisa buscar atendimento específico. Em muitos casos, alguns minutos fazem a diferença entre a vida e a morte.

Boa sorte, Lily!